sábado, 29 de março de 2008

Canto do Periquito

Atualizei a resenha do Canto do Periquito (jan/10):

Sábado é dia de feira na Ribeira e mais uma vez tive sorte, já o sol não se escondeu. Depois das tradicionais compras de frutas e legumes, parei no Canto do Periquito, trailler que fica na beira da praia, ao lada da antiga entrada das Barcas, para comer uma costela no bafo.

O bafo é uma churrasqueira, muitas vezes produzida artesanalmente, com uma imensa tampa que cobre toda área onde é colocada a carne, geralmente feita com a metade de um tambor de aço de 200 litros cortado longitudalmente. A costela é embalada em papel celofane próprio para cozinha, que com o calor libera boa parte de sua gordura, deixando a peça de carne parcialmente imersa, cozinhando-a lentamente dentro do saco enquanto ferve. Esse processo leva algumas horas, mas é simplesmente espetacular.

A costela se desmanchava na boca e solta facilmente dos ossos. É só passar o garfo lentamente na carne. No Canto do Periquito, vem acompanhada de aipim, favofa e salada. Perfeito.

Acordar cedo é o único problema para degustar o prato, já que tem alta saída e costuma ter todas as peças reservadas antes de meio dia.

A vista também ajuda a criar um ambiente agradável, de frente ao mar, com vista para o São Gonçalo Shopping, barcos de pescadores e garças.

É O lugar para comer costela no bafo na Ilha do Governador. Até pouco tempo, tinha a Lanchonete Bolsas, em frente à delegacia, que ficou famosa por conta deste prato. Mas agora ela é feita na churrasqueira tradicional e se transformou em apenas mais uma costela assada, sem nenhum atrativo. Não vale mais a pena.


Costela no Bafo
R$18,00 (março/08)
Acompanha: aipim, farova e salada
Canto do Periquito - Ribeira, ao lada da antiga estação das barcas.

Experimente também a moela.

Obs.: assim que for lá novamente, fotografarei para ilustrar a postagem.

2 comentários:

  1. eu trabalho no periquito meu nome é evandro msn vando_malvado@hotmail.com

    ResponderExcluir
  2. Valeu Evandro, a gente se vê por lá.

    Abraços, Izidoro.

    ResponderExcluir