sexta-feira, 4 de abril de 2008

Análise Antro-falo-etílica

Estou vendo frequentemente pelos bares da cidade uma espécie de cilindro cheio de chopp sendo servido. Já bebi um desses na Ilha, no Doc Sax. Se você nunca viu, eu explico: também conhecida com torre de chopp, é um cilindro de acrílico com uma barra de metal dentro, que serve para manter o líquido gelado. Na base desta estrutura tem uma torneira para encher a tulipa. Nela cabem 9 chopes e custa o preço de 10.

Realmente é uma facilidade, você não precisa ficar o tempo todo chamando o garçom, mas o motivo que faz um homem pedir um desses é outro: desafiar os machos das outras mesas.

Como antropólogo amador, vou fazer uma análise antropológica deste novo hábito butelístico carioca.

Um homem é um ser muito competitivo, está sempre se comparando com outros homens. Quem tem o melhor carro, quem copula com um maior número de mulheres, que tem a maior casa e que tem o maior pênis. Essa disputa de quem tem o maior órgão sexual é mais intensa durante a adolescência, mas é muito comum homens adultos fazerem piadas sobre o tamanho do pau alheio. E se você reparar com mais acuidade, este cilindro, foco de nossa análise, não passa de um falo enorme. Ou seja, ao pedir um desses, o homem está dizendo que possui um falo maior do o dos homens das outras mesas.

Segundo: outra forma de competição é saber quem bebe mais cerveja. Somos capazes de medir a masculinidade da alguém pela quantidade de cerveja que ela bebe. E se você reparar com mais acuidade, o cilindro em questão não passa de um falo enorme e cheio de cerveja. Ou seja: tenho um falo maior que o seu e bebo mais cerveja também.

Esse instinto de competição foi um dos responsáveis pela sobrevivência da espécie e ainda é necessário nos dias atuais e acredito que essa torre de chopp vai se popularizar.

Um comentário:

  1. Sai da Vida , Norton, fica pensando em falos alheios....ahehehaheheh

    ResponderExcluir