segunda-feira, 25 de julho de 2011

Barril de Heidelberg

Toda ascendência paterna da minha digníssima é alemã. O avô dela lutou na Segunda Guerra operando rádio nos aviões nazistas, e a família ainda guarda algumas relíquias da época, como medalhas de bravura e outros itens da farda. As histórias são sensacionais, certamente dariam roteiros para filmes do Spielberg. Além disso, o velho Opa tinha como hobbie a fotografia e a cinegrafia, chegando a registrar, inclusive, Hitler. Infelizmente, boa parte deste material foi perdida num desabamento.

O fato é que ganhei do meu sogro uma belíssima caneca de Heidelberg, cidade onde ele cresceu. A caneca de porcelana e tampa de estanho, ou tankard, retrata uma curiosa história. No centro é possível ver o Castelo de Heidelberg, construído na Idade Média e parcialmente destruído pelo Rei Luiz XIV da França no século XVII.

Perkeo no detalhe

No lado direito do tankard, o grande barril. Com capacidade para 221 mil litros de vinho, é o maior do mundo. Construído em 1751, possui na sua parte superior um palco onde ficavam os músicos durante os festejos. O barril ainda existe, mas apenas como peça histórica, em exposição para turistas dentro do castelo.

No lado esquerdo, uma imagem do anão Clemens Perkeo, bufão da corte e símbolo da bebedeira. Era obrigado a beber 15 garrafas de vinho por dia, caso contrário seria açoitado.

Abaixo, algumas imagens atuais da cidade de Heidelbert.

Barril de Heidelberg (fonte da imagem)

Castelo de Heidelberg (fonte da imagem)

Nenhum comentário:

Postar um comentário