segunda-feira, 7 de maio de 2012

Amarelinho da Via Ápia - Rocinha

A primeira vez que fua à Rocinha foi para conhecer a creche da Dona Dalva, pessoa que dedicou a vida às crianças daquela comunidade. Muito querida por todos, ouvi um pouco da fascinante história daquela favela diretamente de uma de suas primeiras moradores. Infelizmente Dona Dalva faleceu há poucos anos, mas deixou plantada centenas de sementes nos pequenos que atendeu.

Esta semana tive a oportunidade de ir na Rocinha novamente, mas desta vez parei para almoçar.


Digníssima é atriz e está em cartaz com o espetáculo Na Cola do Sapateado, Teatro Fashion Mall. Como sempre faço, coloquei minha bicicleta no carro e fui com ela, já que sobra algum tempo livre antes no início da peça. A programação era jantar no Shopping da Gávea, mas eu tinha esquecido os vouchers em casa. Resolvi, então, pedalar até a Rocinha para imprimí-los em alguma lan house. Alguma poucos centenas de metros separam o shopping mais metido a besta da cidade da maior favela da América Latina.

As ruelas da Rocinha, caóticas, com motos, pedestres e carros dividindo o espaço sem nenhuma ordem aparente, lembram os documentários que assisti sobre a Índia. Restaurantes (japonês, italiano, galeterias, self service, lanchonetes, PFs entre outros), agências de viagens, bancos, lojas de informática, gráficas, salões e uma infinidade de outros serviços e comércios oferecem quase tudo que uma pessoa pode precisar.

Num dos becos vi um restaurante japonês que, infelizmente, ainda não estava aberto. De uma porta de vidro dava para ver o interior, com algumas mesas de madeira e um balcão ao fundo. 

Depois de imprimir os vouchers, fui ao Amarelinho da Via Ápia, restaurante self service e à la carte. Dentre as várias opções, fiquei com o contrafilé com arroz, feijão e fritas.

Contrafilé com arroz, feijão e fritas do Amarelinha da Via Ápia


As porções em restaurantes populares são fartas. O bife, preparado na chapa, era enorme e estava bem selado, macio e suculento por dentro. Com uma garrafa de cerveja paguei R$26. Apesar de ser no pé da Rocinha, os preços não são tão baratos. 

Gostei bastante, semana que vem voltarei e experimentarei outra casa.

Naquele mesmo dia jantei com a digníssima no Shopping da Gávea. Ser carioca é isso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário