sábado, 4 de outubro de 2008

Uma simples (e matemática) visão da felicidade


Tenho passado por problemas conjugais nas últimas semanas, o que me tem feito pensar bastante sobre a felicidade, como sermos pessoas melhores e todas essas viadagens que nos atingem quando ficamos fragilizados.

Cheguei a algumas conclusões que, apesar da minha parca idade, quero compartilhar com vocês.

Obs.: esqueça Maslow!

Uma simples (e matemática) visão da felicidade

Para se sentir feliz (veja bem: se SENTIR feliz), todo ser humano possui um conjunto de necessidades que precisam ser supridas. Essas necessidades são as mesmas para todos. Vou citar algumas delas:

Dinheiro
Amigos
Carreira
Família
Vida conjugal
Sexo
Aventuras

A diferença na forma de ser feliz entre as pessoas está no peso que cada um atribui a cada necessidade. Para alguns, dinheiro é a coisa mais importante. Serão felizes se tiverem muito dinheiro, mesmo que tenham que agüentar um emprego que não gostem, passar por humilhações e, até mesmo, prejudicar outras pessoas.

Para outras, a carreira profissional tem mais peso. Podem até ganhar um salário baixo e viver sob instabilidade, mas estarão extremamente satisfeitas se fizerem o que gostam.

Ou seja: a felicidade pode ser medida pela ponderação de cada uma das necessidades individuais multiplicada pelo seu respectivo grau de satisfação.

Equação da felicidade

Índice de Felicidade Individual = (Dinheiro x Peso) + (Amigos x Peso) + (Carreira x Peso) + (Família x Peso) + (Vida Conjugal x Peso) + (Sexo x Peso) + (Aventuras x Peso) + ... (Necessidade n x Peso)

Sabendo-se que a soma de todos os pesos deve ser igual a 1 e;
A satisfação de cada necessidade deve possuir um valor entre 0 e 100, onde 0 significa que esta necessidade não está sendo suprida e 100 significa sua total satisfação;

Chegamos a um índice de felicidade individual (IFI), medida através de uma porcentagem.

Este índice pode variar ao longo do dia e, é claro, não é perfeito. Houve momentos na minha vida em que ele atingiu 200%, completamente fora da abrangência da equação, mas quem disse que a vida é exata como a matemática?

Ainda não sei qual é o peso de cada item na minha vida, mas com certeza meu relacionamento conjugal está no topo da lista. Existe alguém que me completa e este período de instabilidade estava me destruindo.

E você, como pondera sua felicidade?

2 comentários:

  1. Compreendo muito bem o que quer dizer sobre a IFI. Eu ainda não sei o peso de cada um para mim. Mas 3 certamente estão na frente de todos. Amigos, Trabalho e Relacionamento. Não dá para imaginar a vida sem amigos e não dá para imaginar a vida sem uma boa companheira e logo para que isso tudo se complete uma boa dose de responsabilidade com o trabalho para dar valor aos momentos com os amigos e companheira, o trabalho é vital. Hoje tenho uma namorada que me dá apoio que me ensina que se deixa ensinar e fica carente para que eu possa protege-lá. É parceira mesmo. Acho que é nesse momento de fragilidade que a gente pensa mesmo nas falhas, nossas e da outra pessoa e se descobrindo mais para saber exatamente o que realmente queremos nesse quesito. passei por maus bocados em outros relacionamentos e aprendi o que devo fazer para tornar essas situações mais confortáveis para mim quando passar pelo momentos fragéis.

    Gostei muito da Matemática vou tentar aplicar para saber meu IFI.

    Abraços,

    ResponderExcluir
  2. O Anônimo tem razão, é sempre nos momentos de dificuldades que paramos para fazer uma análise do relacionamento. Não deveria ser assim. Este deve ser um exercício diário.

    Obrigado por suas palavras, Izidoro.

    ResponderExcluir