quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Aumento da escolaridade e o fim dos botequins

A reportagem abaixo mostra um fenômeno positivo que está acontecendo no Brasil: os filhos da nova classe média, formada por trabalhadores de pouca qualificação, estão estudando mais que seus pais e conseguindo melhores empregos. É o aumento da renda baseado no aumento da escolaridade, o que não cria uma bolha econômica.



Sem dúvida isso é uma coisa ótima, mas em certo aspecto me preocupa bastante. Vários pés-sujos clássicos, botequins antigos famosos em seus bairros pela boa comida e baixos preços, estão fechando porque os filhos dos proprietários não querem seguir a profissão dos pais, que ficam do outro lado do balcão e na cozinha destes botequins. Depois da morte daqueles que tocam o negócio, a loja geralmente é vendida ou abandonada.

Claro que não tenho dados de pesquisas para fazer estas afirmações, mas é o que eu vejo no dia-a-dia butequístico.

Nas áreas mais nobres da cidade, a criação de condomínios de luxo também contribuui na formação desta nova característica social, que, se não extinguirá, pelo menos diminuirá o número de pés-sujos disponíveis. Paulo Thiago de Melo explica isso muito melhor em seu blog, nesta e nesta postagem. Ele é doutorando em antropologia e freqüentador assíduo de botequins, seus textos sobre o assunto são extremamente recomendados.

O aumento da renda da população em geral nos leva ao terceiro motivo pela diminuição dos botequins clássicos: os pontos valorizados são comprados por grandes redes e transformados nos chamados pés-limpos, botequins de grife que tentam reproduzir o ambiente aconchegante de seus antecessores.

Sinais dos novos tempos, não temos muito que fazer. Mas não se desesperem. Em áreas populares do Rio, no subúrbio e espaços "menos nobres" esta é uma tradição que tão cedo não será extinta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário