sexta-feira, 20 de abril de 2012

Casa Paladino

Antigamente as pessoas costumavam comprar os mantimentos em armazéns. O proprietário e alguns poucos funcionários ficavam do outro lado do balcão pegando os itens solicitados. Existiam poucas marcas, grande parte dos produtos era vendida a granel, em tonéis cheios de arroz, feijão e cereais.

Depois que o Carrefour inventou o supermercado, com imensas lojas e autoatendimento, os armazéns aos poucos foram fechando, mas felizmente alguns ainda sobrevivem. Na Ilha do Governador um exemplo é o fabuloso Bar do Seu Paulo, que apesar de hoje ter as bebidas como carro chefe, preserva o pé-direito alto com várias prateleiras, nas quais oferece alguns produtos para o dia-a-dia do lar, como material de limpeza e enlatados. É o botequim mais antigo do bairro, com mais de cem anos. Vez por outra passo lá de bicicleta para tomar uma meiota, comer um pedaço de queijo parmesão e pastéis. Fiz um pequeno vídeo do estabelecimento:




Mais um clássico centenário é a Casa Paladino, que mantém a decoração e o clima do início do século XX, quando foi fundado. Espécie de secos e molhados misturado com botequim, vende vários rótulos de vinho, destilados nacionais e importados, azeites, licores, geléias, chás, laticínios diversos, entre outros produtos típicos destas casas. Mas são os pratos servidos no salão que fazem a alegria dos clientes. Não vendem pratos completos, mas não se deixe enganar pelos sanduíches, omeletes e porções, além de outros petiscos portugueses. É difícil conseguir lugar na hora do almoço, mas vale a pena. Além de ser tudo muito saboroso, o preço é bem amigável.

Veja abaixo algumas opções de sanduíches (preços aferidos em abril de 2012)

Gorgonzola: R$8,00
Triplo (provolone, presunto e ovo): R$6,50
Queijo do reino: R$6,50 (um dos meus preferidos)
Pastrame defumado: R$7,00
Presunto cru: R$9,00

Omeletes

Camarão ou bacalhau: R$16,00
Polvo português com cebola: R$15,00
Sardinha: R$11,00

Interior da Casa Paladino
Fiquei observando os pedidos das mesas ao lado, todos lindos: ovos com gema mole em cima de torradas, cestas de pães e omeletes diversos. Pedi um sanduíche de presunto cru (R$9,00), que com um chope custou R$13,50. Só pão francês e várias fatias de presunto, não precisou de mais nada para alegrar meu dia.

Sanduíche de presunto cru da Casa Paladino
O presunto cru é muito comum na Europa, sua receita tem mais de dois mil anos, mas algumas cidades brasileiras já produzem alguns de boa qualidade. Trata-se de um pernil maturado que demora um ano para ficar no ponto, consumido cortado em finas fatias, como carpaccio, e vai muito bem com pão e azeite.

Um dos mais famosos é o presunto de Parma, que acabou virando sinônimo de presunto cru, produzido na cidade homônima italiana e que possui cada uma das peças inspecionada pela prefeitura antes de ganhar o selo de qualidade.

Já o pata negra é de origem espanhola, feito com um porco ibérico criado livre no campo, cujos pelos negros nomeiam a iguaria.

Comumente o pernil vem inteiro, com a pata e as unhas, preso numa tábua. Para comer, corta-se as fatias com uma faca bem afiada.

Fonte da imagem


Por conta do processo demorado para produção, é bem caro, mas um dia ainda terei uma peça de pata negra como a acima na mesa da cozinha. Certamente é uma das coisas mais gostosas que já comi.

Saiba mais sobre a produção desta iguaria aqui.

Serviço

Casa Paladino
Rua Uruguaiana, 226 (esquina com a Avenida Marechal Floriano)
Segunda a sexta: das 7:00h às 20:30h.
Sábado: das 8:00h às 12:00h.
Não abre aos domingos
Não aceita cartões, cheques ou tiquetes. Apenas dinheiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário