segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Dia a dia da Ilha do Governador atrai novos moradores

No lugar do bondes, agora, é a vez das bicicletas percorrerem as ruas da Ilha do Governador, região administrativa do Rio de Janeiro, com mais de 200 mil habitantes. Pedalar pela região é voltar à história, à origem da Ilha, em 1502. Mesmo lado a lado das construções modernas, os prédios tombados estão por toda parte, como a Igreja Nossa Senhora da Ajuda, na Freguesia e a Nossa Senhora da Conceição, no Jardim Guanabara. Entorno da Praia do Engenho ainda há área de preservação ecológica, onde foi construído o parque Marcello de Ipanema. Pela Ilha, lugar para passear e se movimentar não faltam. Em ritmo acelerado, dia e noite, lojas de ruas e mais de 300 bares e restaurantes ficam abertos recebendo gente de todos os lugares do mundo, principalmente nas estradas da Cacuia e do Galeão.

Visitantes e moradores reconhecem as boas pedidas da culinária local: churrasco, bacalhau, massa, peixe, etc. Na Mocellin, churrascaria tradicional na capital carioca, javali é a sugestão mais exótica da cozinha. Pelo bairro está também o Petisqueira Martinho, já vencedor do concurso Comida di Buteco, com um cardápio apetitoso: Lula Carioca, uma lula empanada recheada com farofa, linguiça calabresa, cebola, bacon, pimentões verdes e manteiga. Acompanha caldinho de feijão batido. Além desses, há o pitoresco Trem do Norte, especializado em comida farta.

As indicações de diversão para noite adentro vão depender do gosto do freguês. A Boate Provisório e o Farol Lounge, no Jardim Guanabara, garantem uma baladinha mais agitada. Mas para quem prefere uma noitada tranquila, porém divertida, a dica é a Praia da Bica e a orla marítima, onde a vista ao lado de amigos vale a pena.

Com todos esses atrativos, a Ilha comemora com o restante do Rio de Janeiro as perspectivas de novos negócios com a Copa do Mundo em 2014 e as Olímpiadas em 2016.

Já no ano passado as pesquisas do Sindicato de Habitação do Rio de Janeiro (Secovi-RJ) e da Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário (Ademi-RJ) foram favoráveis. Mostraram que investir no setor imobiliário é vantajoso, principalmente por causa dos eventos esportivos. Os lançamentos no Rio de Janeiro não sofreram queda em relação a 2010; foi o único estado que manteve crescimento de 25%. Foram nove mil unidades comerciais (2011) e 3.245 (2010); 16.749 unidades residenciais (2011) e 15.480(2010). Houve uma valorização de 35% em usados. Os aluguéis dos imóveis da Ilha do Governador tiveram uma alta de 65,7%.

Nos dias de hoje, o cardápio gastronômico e o perfil receptivo já despertam o interesse de moradores e visitantes para ficarem pela Ilha. O desafio e a expectativa serão atrair os novos turistas para desfrutar da programação local, que nunca deixou a desejar.

Esta postagem é um informe publicitário.

Nenhum comentário:

Postar um comentário