quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Bicicletas e emancipação feminina

Nas contagens de bicicletas que a Transporte Ativo* costuma fazer é comum os resultados mostrarem mais de 90% dos ciclistas do sexo masculino. Nas ruas não é difícil comprovar essa estatística, de fato existem muito mais homens pedalando do que mulheres. Uma recente pesquisa revelou que o motivo disso não é o medo do trânsito ou aquela falsa fragilidade feminina, mas sim a mesma coisa que exclui as mulheres de diversos outros espaços: o patriarcado e o machismo, que colocam-nas como únicas responsável pelas atividades domésticas e cuidados com os filhos, deixando-as de fora de muitas outras funções sociais, das chamadas "coisas de homem".


Sou um Bike Anjo, voluntário que ensina pessoas a pedalar. Todo primeiro domingo do mês estou nos jardins do Museu de Arte Moderna (MAM), no Aterro do Flamengo, multiplicando a quantidade de ciclistas na cidade. A maioria das pessoas que aparece para aprender é composta por mulheres. Homem, quando vai, geralmente está acompanhado da namorada, que certamente teve papel fundamental no apoio moral para ele resolver assumir que não sabe pedalar e procurar ajuda. Homem sozinho é muito raro, e acho que o motivo é o mesmo citado acima. O macho não pode pedir ajuda, não pede informação. Isso é demostrar fraqueza.  

Para mim não importa o gênero de quem aparece na Escola Bike Anjo (EBA)**, mas confesso que fico mais feliz quando elas aparecem. É muito mais difícil ser mulher, elas ganham menos em seus empregos, sofrem muito mais repressão social do que nós e possuem mais responsabilidades. Como homem, diminuir meu machismo é uma atividade árdua e diária, reprogramar o cérebro e mudar de conceitos e ideias não é fácil, mas estou sempre tentando. Quero promover também a igualdade entre os gêneros, e ajudar uma mulher a andar de bicicleta é contribuir com sua emancipação. 

**************

* A Transporte Ativo é uma ONG que objetiva estimular o uso da bicicleta como modal de locomoção;
** A Escola Bike Anjo acontece todo primeiro domingo do mês, das 14h30 às 17h, nos jardim do MAM. Em Niterói acontece no terceiro domingo no Teatro Popular, das 16h30 às 19h. Curta nossa página no Facebook.

2 comentários:

  1. Que bom que existem homens como você, Norton! Fica mais fácil acreditar que há luz no fim do túnel. Valeu!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Tina. Você aprendeu bem rápida, né? Beijos.

      Excluir